A ação policial e a estatística

 Os números de qualquer estatística permitem qualquer tipo de conclusão, inclusive as contraditórias. Noticiou-se dias atrás o aumento de 12% no número de mortes provocadas por policiais militares paulistas em serviço, durante o primeiro semestre de 2017. Foram 313 os mortos, número elevado na visão dos ativistas anti-violência, mas normal ou até baixo se verificadas todas as variáveis da estatística. Um universo de 16 milhões de intervenções,
com 56.000 prisões em flagrante, 15 mil recapturas de foragidos e a apreensão de 5 mil armas de fogo ocorridos no mesmo  período. Por iniciativa própria, a corregedoria da Polícia Militar investiga todas as ocorrências com mortes ou agravos e sempre pune os policiais quando identificados agindo em desacordo com o padrão operacional da corporação. Trinta dos participantes das ocorrências com mortes deste ano foram retirados do serviço e presos sob a acusação de prática de homicídio.

               A ação da polícia é traumática por natureza. Quando ela é chamada é porque há problemas que os envolvidos ou a sociedade não conseguiram resolver por conta própria. Sua chegada ocorre, via-de-regra, no momento mais tenso e, por isso, acontecem confrontos, perseguições e mortes, que também vitimam os próprios policiais e, lamentavelmente, não ganham a mesma repercussão daquelas em que morre o transgressor social. Há ainda a problemática dos policiais, tanto em trabalho quanto de folga, serem caçados e mortos a mando do crime organizado ou por desafetos feitos durante o trabalho.
               É simplista a formação de conclusões apenas com a contagem de mortos, tanto de bandidos ou cidadãos por policiais quanto de policiais por bandidos. O problema é anterior a esse ponto de conflito. Muitos dos transgressores que hoje infernizam a vida da sociedade  com roubos, sequestros e outros crimes, são produtos de más políticas que os lançaram è exclusão. A polícia é o último recurso para evitar a degradação total e sua ação, voltada para a proteção da sociedade, tem residuais impossíveis de se evitar. O soldado tem uma série de regulamentos a cumprir visando tornar sua ação menos letal. Mas, de outro lado, quando em ação, tem apenas a fração de segundo para decidir qual atitude a tomar. Como ser humano, é passível de erro e, mesmo assim, quando erra, é severamente punido, alijado da corporação e apenado judicialmente.
                Se verificarmos o quadro por inteiro, não apenas aspectos que interessem em apoiar teses de violência ou não-violência, a PM paulista tem trabalhado bem, com baixa letalidade e é um exemplo a ser seguido. O ideal será o dia em que não tivermos mais mortes cometidas por policiais e nem policiais mortos por criminosos. Quando isso ocorrer, a sociedade terá atingido aquele estágio de desenvolvimento e paz que todos nós, cidadãos, almejamos...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seminário marca início do Mestrado Profissional em Educação da URCA

Cartórios divulgam os nomes mais registrados no Ceará em 2017